Médicos cearenses realizam manifestação pelas 100 mil mortes pela Covid-19 no Brasil e denunciam: grande parte poderia ter sido evitada

Profissionais de saúde cobram responsabilização do presidente que minimiza o número de mortes, com declarações como “E daí?”, Não sou coveiro” e “Vamos tocar a vida”




Médicos e médicas cearenses, integrantes do Coletivo Rebento – Médicos em Defesa da Ética, da Ciência e do SUS, realizam na manhã deste sábado, em Fortaleza, em local a ser definido, manifestação de luto pelas mais de 100 mil mortes por Covid-19. Eles denunciam que grande parte desses óbitos poderia ter sido evitada, se tivesse havido o devido cuidado desde o início, uma coordenação nacional de ações, um compromisso em salvar vidas de brasileiros, principalmente dos mais pobres, maioria entre as vítimas fatais da doença.

Os médicos e médicas participantes manifestam repúdio às ações e à condução pelo Governo Federal da grave crise de saúde pública, com 100 mil óbitos no Brasil, enquanto a Argentina contabiliza atualmente 4 mil mortes por Covid-19.

Os profissionais de saúde destacam que o Brasil virou motivo de vergonha, ameaça e preocupação mundial, sem ministro da saúde, sem a coordenação de ações que seria fundamental para reduzir os efeitos da pandemia no País, incluindo o devido apoio econômico e social para que todos os trabalhadores de atividades não essenciais pudessem ficar em casa. Um plano efetivo de enfrentamento tanto da crise sanitária e humanitária quanto de suas consequências econômicas, muito além dos insuficientes R$ 600,00, que ainda geram aglomerações nos bancos e não chegam a todos que teriam direito.

Quantas das 100 mil mortes poderiam ter sido evitadas?

Para os médicos e médicas participantes, a sociedade precisa refletir sobre por que chegamos a essa marca de 100 mil mortes, grande parte das quais poderia ter sido evitada. Sobre a enorme desigualdade social levando a mais mortes, com grande percentual de negros, pobres e moradores de periferia. Sobre o País não ter ministro da saúde desde 15 de maio, em plena pandemia.

“É preciso defender o SUS, que está salvando vidas e evitando uma tragédia ainda maior. É preciso defender os profissionais de saúde e garantir condições de trabalho. É preciso revogar o congelamento dos recursos para a saúde”, enfatizam os médicos, sobre a emenda constitucional que congelou o orçamento federal para a saúde por 20 anos.

“É preciso garantir a todas as pessoas condições para se prevenir da doença e viver com dignidade. É preciso garantir tratamento adequado a todos e todas. É preciso responsabilizar quem mentiu para o País e subestimou a doença. Quem divulgou remédio que não funciona, sabendo que não funciona”, acrescentam.

“São mais de 100 mil mortes. Para evitar que essa tragédia continue e que ainda mais vidas sejam perdidas, é preciso mudar”.

O coletivo e as manifestações

O Coletivo Rebento – Médicos e Médicas em Defesa da Ética, da Ciência e do SUS chamou atenção nacionalmente com a grande repercussão do vídeo em que mais de 30 médicos deram uma resposta à fala do presidente sobre “invadir e filmar hospitais”.

O coletivo também realizou uma manifestação na Praia de Iracema, no dia 13/6, em homenagem às vítimas da Covid-19 e aos profissionais de saúde, além de crítica ao Governo Federal, e participou de segunda manifestação no mesmo local, no dia 21/6, promovida pelos Médicos pela Democracia, como parte de uma grande manifestação nacional da categoria. Ambas as manifestações contaram propositadamente com poucas pessoas, em ambiente aberto e ventilado, e respeitaram os cuidados de distanciamento, higiene e prevenção.

Os vídeos e demais conteúdos produzidos pelo Coletivo Rebento estão disponíveis nas redes sociais Facebook e Instagram, além da plataforma Youtube. O manifesto de fundação do coletivo está disponível para assinatura na plataforma de manifestações coletivas Avaaz.

Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Luca Souza
Carregar Mais Em Notícias

Sobre Luca Souza

Estagiário no setor de criação de conteúdo do Foobá

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.

Instagram

Instagram did not return a 200.

Siga-nos!