Erros do INEP causam desconfiança e preocupação em estudantes

O ministro estimou em seis mil pessoas o número de afetados por erro na correção da prova do Enem o considerou “baixo” o impacto, descartou o adiamento do Sisu




Educação, Notícias

As notas dos candidatos que se submeteram ao Exame Nacional do Ensino Médio, Enem é o critério para acesso ao ensino superior pelo Sistema de Seleção Unificada, que oferece 237 mil vagas em universidades federais em todo o país. O período de inscrições vai de terça-feira (21) a sexta-feira (24) e isso tem gerado muita preocupação entre os estudantes que temem ser prejudicados caso não tenham as notas revisadas, depois do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Inep, responsável pela aplicação dos exames admitir “incongruências” na correção das provas. Cerca de 200 mil candidatos pediram revisão das provas.

O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, descartou a possibilidade de atrasar o prazo de abertura para inscrições no Sistema de Seleção Unificada. Segundo ele, as notas serão corrigidas diretamente na plataforma até o final do dia de hoje.

De acordo com o Inep 3,9 milhões de pessoas fizeram as provas em 3 e 10 de novembro. A princípio o erro havia atingido apenas a correção de gabaritos do 2º dia, quando houve provas de ciências da natureza e neste domingo (19), o Inep afirmou que a revisão será feita nos dois dias do exame.

O ministro estimou em seis mil pessoas o número de afetados por erro na correção da prova do Enem o chefe da pasta considerou “baixo” o impacto.

“A gente já tem o número de pessoas e vai ser corrigido hoje à noite”, disse Weintraub. “Estamos falando de 0,1% das pessoas, isso dá cerca de cinco ou seis mil candidatos, problemas que vão ser corrigidos. O impacto é baixo e não vai ter nenhum efeito para a maioria das pessoas.”

O ministro explicou que o erro ocorreu na impressora da gráfica Valid Soluções S.A, responsável pela diagramação, manuseio, embalagem, rotulagem e entrega aos Correios dos cadernos de provas. Segundo ele, a máquina “dava umas engasgadas” durante a impressão e isso gerou o descolamento da prova com o gabarito.

O ministro disse que, por ter sido um problema mecânico da máquina, deverá tomar as medidas cabíveis contra a gráfica. “Aparentemente não foi uma coisa de má-fé, foi um acidente, coisa que acontece. Não depende da minha avaliação. A gente vai ver legalmente o que acontece”, disse Weintraub.

Nas redes sociais as reclamações de erro na correção estiveram como assunto mais comentado durante todo dia de hoje.

Sobre Erika Souza

A menina louca. Deixo essa definição, pois meu entusiasmo pode parecer loucura. Atuo com comunicação, eventos e desenvolvimento pessoal. Com o convívio a gente se conhece mais.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.